Visite nosso faceArtCulturalBrasil

UMA CIDADE SEM MEMÓRIA CULTURAL É UMA CIDADE SEM FUTURO HISTÓRICO

Minha Mãezinha



Minha Mãezinha
(José Antonio Jacob)

Minha mãezinha é aquela que não chora
E traz em casa as compras na sacola,
Depois me deixa no portão da escola,
Manobra o carro em frente e vai embora.

Minha mãezinha não esperdiça a hora,
Sai a trabalho assim que o sol descola,
Almoça e janta todo dia fora,
Mas o domingo inteiro me consola.

E se estou sozinho eu não sinto medo,
Quando ela chega tarde é sempre cedo
E entra a sorrir dizendo que me adora...

Antes de me deitar rezo baixinho
E peço para que Nossa Senhora
Derrame a luz do céu no seu caminho.




Lineu Roberto de Moura
Presidente


2 comentários:

  1. O soneto “Minha Mãezinha” do poeta José Antonio Jacob, a iniciar pelo título, expressa o enorme carinho que um filho sente por sua mãe. Parece contraditória tal afirmação, pois o diminutivo traduz grandiosidade de sentimentos! Alguns dos autores de Gramáticas Normativas ressaltam que o morfema indicador de grau diminutivo pode admitir diferentes valores. Rocha Lima afirma que “em regra, os diminutivos encerram idéias de carinho; e nada mais importante no dia de hoje do que a expressão do carinho e gratidão que todos sentimos por nossas amadas mães, estejam aqui conosco ou habitando em outras esferas! Linda a homenagem , poeta Jacob! Que sirva de exemplo para tantos desnaturados que, sequer, felicitam suas mães nesta data especial! Maria Granzoto.

    ResponderExcluir
  2. http://dcosmo.blogspot.com/ - No qual os pensamentos frenéticos correm em busca das verdadeiras argumentações "cosmo a pé"

    ResponderExcluir